Covid-19: Europa registra novos casos confirmados da variante ômicron

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante o anúncio de novas restrições sanitárias após a confirmação de dois casos da variante ômicron no país. © Jeff Gilbert/Pool via REUTERS

Pelo menos três países europeus já confirmaram a presença da variante ômicron em seu território neste sábado (27). Vários casos suspeitos ainda estão sendo investigados. As autoridades do Velho Continente endureceram as medidas para a entrada no bloco, na tentativa de conter a propagação da nova cepa.


Depois da Bélgica e da Alemanha confirmarem a existência de casos da variante ômicron em seus territórios, o Reino Unido informou que dois pacientes de Covid-19 “com mutações compatíveis com a variante B.1.1.529” haviam sido identificados no país. Segundo o governo britânico, os dois casos estão relacionados entre si e foram localizados após "uma viagem ao sul da África", onde a variante foi detectada pela primeira vez esta semana.


A pessoa contaminada identificada na Alemanha também havia retornado da África do Sul. Já o caso da nova variante identificado na Bélgica foi registrado em um turista que voltava do Egito, passando pela Turquia.


Outros países do bloco também investigam casos suspeitos. A situação mais preocupante na Europa é a da Holanda, onde 61 passageiros de dois voos que pousaram na sexta-feira (26) em Amsterdã procedentes de Joanesburgo deram positivo para a Covid-19. Todos foram isolados em quarentena, informou a autoridade sanitária holandesa, que agora tenta verificar se há infecções da nova variante.



Nova cepa chega junto com 5ª onda da pandemia

O surgimento da ômicron coincide com um aumento de casos de coronavírus na Europa, com alguns locais enfrentando uma 5ª onda da pandemia, o que obrigou as autoridades de diferentes países a reforçarem as medidas sanitárias. A Holanda anunciou que seus bares, restaurantes e comércios considerados "não essenciais" deverão fechar de 17h00 às 05h00. A Espanha, por sua vez, decidiu que os turistas britânicos – bastante presentes no país – não seriam mais aceitos sem terem sido vacinados.


O primeiro-ministro britânico Boris Johnson aumentou as restrições para os viajantes oriundos de todos os países, com a imposição de teste PCR e isolamento obrigatório dos viajantes até a obtenção do resultado do exame. O uso de máscaras de proteção, que não era mais obrigatório no comércio, também passa a ser exigido novamente.


Já o governo francês decidiu que qualquer pessoa suspeita de contato com alguém testado positivo com a nova variante deverá respeitar uma quarentena, mesmo se tenha sido vacinada. 


Voos suspensos

Mas as medidas mais importantes ligadas à nova cepa visam os viajantes procedentes da África do Sul e países vizinhos. A União Européia recomentou que todos os voos vindos da região sejam suspensos e a medida foi acatada por vários membros do bloco.


Estados Unidos, Brasil, Canadá e Austrália, além de alguns países asiáticos também anunciaram restrições visando os viajantes provenientes do sul do continente africano.  


A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que essa variante é "preocupante" assim como a atualmente dominante delta e as detectadas anteriormente, alfa, beta e gama. No entanto, ainda não se sabe a que ponto a cepa pode ser mais perigosa ou resistente às vacinas disponíveis.


O coronavírus já deixou mais de 5 milhões de mortos em todo o mundo desde sua aparição na China no final de 2019, embora a OMS estime que os números reais possam ser muito maiores.


  • (Com informações da AFP)
  • Texto por: RFI

© Copyright 2007 - 2022 Jornal de Curitiba
Desenvolvido por Editora MR Agência Digital