Embaixador Austríaco no Brasil visita Curitiba

Nesta segunda-feira (13/12) o prefeito de Curitiba, Rafael Greca de Macedo, recebeu no Palácio Solar 29 de Março a visita do Embaixador Austríaco no Brasil, Stefan Scholz, e da Embaixatriz, Angelika Scholz.

Foto: Ricardo Marajó/SMCS


Acompanhados de uma delegação formada por Klaus Hofstadler, Cônsul Comercial no Brasil, e Tercio Gritsch, Cônsul Honorário da Áustria em Curitiba, eles conheceram os novos projetos que estão sendo implantados na capital paranaense, como a Pirâmide Solar da Caximba e o Projeto de Aumento da Capacidade e Velocidade do BRT no eixo Leste-Oeste e Sul.


Rafael Greca também fez questão de fortalecer e relembrar os laços entre o Brasil e a Áustria, que vêm desde o tempo do Império Brasileiro, já que a arquiduquesa da Áustria, Maria Leopoldina de Habsburgo, foi esposa do Imperador Dom Pedro I e Imperatriz Consorte do Império do Brasil de 1822 até sua morte.


“Desde o tempo do Império as nossas nações tem um laço muito forte e agora nossa relação se estreita ainda mais com a possibilidade de trocarmos experiências, tecnologias e podermos viabilizar negócios entre empresas brasileiras e austríacas”, afirmou o prefeito Rafael Greca.




O Embaixador também anunciou a inauguração em Curitiba do Instituto Austríaco de Línguas, uma parceria entre o Governo Austríaco e a Universidade Federal do Paraná.  


Durante o encontro também foi discutida a possibilidade da realização de parcerias entre Curitiba e o governo do país europeu para o incentivo da economia verde e também da ampliação de projetos culturais envolvendo música e arte.


Acompanharam o prefeito durante a visita o assessor de Relações Internacionais, Rodolpho Zannin Feijó, e o assessor do Gabinete, Lucas Navarro.


Imigração da Áustria no Paraná

A comunidade fundada por austríacos de língua italiana é Santa Maria do Novo Tirol, em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba. Bucovinos, nascidos na região austríaca da Bucovina, de língua alemã, também imigraram para o Brasil entre 1877 e 1878 e se estabeleceram principalmente nas cidades de Rio Negro e Lapa (Colônias Johannesdorf - São João e Marienthal), no Paraná.


Boa parte dos imigrantes de língua polonesa no Paraná era de nacionalidade austríaca. Havia, também, austríacos de língua ucraniana que, assim como os poloneses, entraram no Brasil com documentação do Império Austríaco.


De acordo com dados do censo redigido em 31 de dezembro de 1915, na Colônia Federal Ivay, no Paraná, viviam aproximadamente 2.560 austríacos, que conviviam com alemães e russos. Esses austríacos poderiam ser da Áustria propriamente dita, ou da região da Galícia.

@Com informações da SMCS

© Copyright 2007 - 2022 Jornal de Curitiba
Desenvolvido por Editora MR Agência Digital