Tradutor

Guerra na Ucrânia coloca em risco segurança alimentar mundial e pode provocar um “furacão de fome”, alerta a ONU

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou nesta segunda-feira (14) para as repercussões da guerra entre Rússia e Ucrânia na segurança alimentar mundial. Ele afirmou que o conflito que poderia resultar em um "furacão de fome" em muitos países.


UN Photo/Mark Garten

O secretário-geral António Guterres informa repórteres sobre a guerra na Ucrânia.


"Esta guerra afeta muito mais do que a Ucrânia", alertou Guterres à imprensa em Nova York. Ele explicou que a suspensão da produção agrícola na Ucrânia e na Rússia devido ao conflito atingirá "mais duramente os mais pobres e semeará instabilidade política e mal-estar em todo o mundo. Devemos fazer tudo o possível para evitar um furacão de fome e o colapso do sistema alimentar mundial", declarou o português.


O secretário-geral da ONU insistiu na importância da Rússia e da Ucrânia como “celeiros de cereais” do mundo e que o conflito terá um impacto direto no acesso da população à comida. "Os preços dos cereais já superaram os do começo da Primavera Árabe e dos distúrbios por alimentos de 2007-2008", lembrou, acrescentando que o índice mundial de preços dos alimentos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) "está em seu nível jamais registrado".


No total, "45 países africanos e os menos desenvolvidos importam pelo menos um terço de seu trigo de Ucrânia ou Rússia; 18 destes importam ao menos 50%. Isto inclui nações como Burkina Faso, Egito, República Democrática do Congo, Líbano, Líbia, Somália, Sudão e Iêmen", explicou Guterres, que voltou a pedir o fim das hostilidades.Crise alimentar e crise humanitária

Já o secretário-geral adjunto para Assuntos Humanitários da ONU, Martin Griffiths, chamou a atenção para a situação cada vez mais difícil dos ucranianos. Ele lembrou que a guerra já obrigou mais de dois milhões de pessoas a deixarem suas casas, mas que "muitos não podem sair de seus lares devido aos intensos combates em cidades como Mariupol, Karkhiv e Kiev".


Ele também anunciou a liberação de US$ 40 milhões do Fundo Central de Resposta a Emergências (CERF), destinados à Ucrânia. Mas segundo ele, esse dinheiro será essencial apenas para “iniciar as operações”.  


(Com informações da AFP)

Nenhum comentário

Postar um comentário

O Jornal de Curitiba reforça o compromisso com o jornalismo paranaense, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.
Siga o Jornal de Curitiba no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar nossa comunidade.
Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.
Registre sua opinião

©1999 | 2024 Jornal de Curitiba Network BrasilI ™
Uma publicação da Editora MR. Direitos reservados.