Logtech paranaense tem nova gestora de Gente e Cultura Organizacional

Especialmente naquelas da área tecnologia, o aspecto humano deve ser ainda mais observado e valorizado, pontua especialista recém-contratada para atuar Gestran, plataforma de gestão de frotas



  • Nicole Thuler
  • Engenharia de Comunicação

Uma empresa é feita de pessoas. Ao mesmo tempo, tem uma origem, uma trajetória, uma história. Da combinação de todos esses elementos, emerge o que chamamos de cultura organizacional. Em tempos contemporâneos, de valores como governança, sustentabilidade e responsabilidade social, em que marcas precisam possuir identidade, a cultura organizacional se mostra um preceito indispensável.


Não à toa, as corporações têm procurado tomar decisões e investir em políticas de constituição e fortalecimento de uma cultura organizacional. Inclusive, e em especial, empresas da área de tecnologia, geralmente confundidas como organizações em que a base está nas ferramentas e soluções tecnológicas. Não. Sobretudo nessas, uma cultura organizacional humanizada deve ser perseguida.


É o que avalia, por exemplo, a psicóloga Lucia Fernandes, especialista em saúde mental e bem-estar. Ela assumiu recentemente a função de gestora de Gente e Cultura na Gestran, empreendimento tech que oferece ao mercado uma plataforma de gestão de frotas. A solução é totalmente digital e automatizada, mas por trás desse produto há profissionais de carne e osso colocando sua expertise a serviço da empresa e do mercado.

“A cultura organizacional é a essência da empresa, expressada pela maneira como ela faz seus negócios, trata seus clientes e funcionários. É o conjunto de hábitos e crenças estabelecidos por meio de valores, normas e atitudes compartilhadas pelos membros da organização”, define a gestora, pontuando a relevância do fator humano nesse processo.


Especificamente no caso da Gestran, a profissional identifica uma preocupação da empresa em olhar para os colaboradores de uma forma “cada vez mais humanizada”. O que, em se tratando, como dito, de uma organização cujo core business (coração do negócio) é a tecnologia, demanda um tratamento especial.


Em 2023, a empresa contratou uma consultoria em recursos humanos para obter um diagnóstico preciso. Desse trabalho, veio o entendimento de que uma gestora deveria liderar o processo de estabelecimento e consolidação de uma cultura organizacional, cargo ocupado por Lucia Fernandes.


A profissional explica os passos que vêm sendo tomados: “A Gestran avançou nos processos, metodologia e ferramentas para entender quem são os seus stakeholders [pessoas ou grupos impactados], levantando indicadores, fazendo ações iniciais de endomarketing, atuando fortemente no desenvolvimento dos colaboradores, movimentando e atuando com os talentos que a empresa tinha internamente e olhando o mercado para atrair novos profissionais em potencial”.


Já há frutos. “Foram identificados, para todo esse movimento, princípios norteadores que a empresa já exercitava e houve a aderência de mais alguns para ser o caminho a seguir rumo a uma cultura organizacional”, sublinha a psicóloga. “A Gestran faz essa adaptabilidade da cultura organizacional intensificando os pilares de comprometimento, inovação, efetividade, respeito e qualidade de vida", cita.


Lucia Fernandes destaca os desafios daqui para frente: “Hoje, temos um cenário de cultura interna que necessita ser lapidado. Também, entender melhor como esses elementos da cultura organizacional atual se relacionam com o desempenho da organização e dos colaboradores. É um processo de resiliência, tempo, investimento financeiro e cabeças pensantes para uma empresa melhor e mais humanizada”.


SOBRE A PROFISSIONAL

Lucia Fernandes é psicóloga, especialista em Saúde Mental e Bem-estar, mestranda em Psicologia Clínica e da Saúde, pós-graduada em Gestão Estratégica de Pessoas pela FGV e em Psicologia Positiva, entre outras formações. São mais de 15 anos atuando na área.


SOBRE A GESTRAN

A Gestran foi criada em 1999 e tem sede em Curitiba. De 2022 para cá, passa por um período de investimentos e expansão. Para 2024, a empresa projeta crescer até 40%. Uma das apostas é o desenvolvimento de novas funcionalidades da plataforma, mediante recursos de machine learning e inteligência artificial.

Mais informações em https://gestran.com.br/.

©1999 | 2024 Jornal de Curitiba Network BrasilI ™
Uma publicação da Editora MR. Direitos reservados.