Mulheres renovam confiança e criam oportunidades com atividades manuais


O nome Valentina é associado a características como força, determinação, vigor e independência. Qualidades desejadas por um grupo de 11 mulheres em situação de vulnerabilidade atendidas pela Prefeitura no projeto Nova Morada, Vida Nova.


Elas são “As Valentinas”, também nome do projeto elaborado em conjunto com todas para ajudá-las no processo de reinserção social. “É uma iniciativa nova, a longo prazo, que estamos buscando para o desenvolvimento de ações de convivência que podem parecer simples, mas são fundamentais para a melhora da autoestima e da confiança em si mesmas”, explica o diretor do Departamento de Política Sobre Drogas da Prefeitura, Thiago Ferro.


Em encontros e oficinas quinzenais, a equipe do Departamento de Política Sobre Drogas pretende ampliar o engajamento das mulheres atendidas no hotel social da Prefeitura localizado na Rua Conselheiro Araújo, no Centro. É mais uma ação que se soma às atividades desenvolvidas no Nova Morada, Vida Nova, com o engajamento de voluntários da sociedade civil organizada.


Atividades manuais

O projeto As Valentinas começou neste mês despertando a emoção nas mulheres atendidas e em toda a equipe envolvida. A busca por significado e pelo desenvolvimento de atividades manuais integram a iniciativa.


Uma das primeiras ideias colocadas em prática foi a confecção de uma embalagem de tecido decorada para que as mulheres possam guardar suas lingeries de forma individual no hotel, onde dormem em quartos coletivos e dividem o espaço disponível no guarda-roupa. Munidas de material para artesanato, cola e tesoura, todas colocaram a mão na massa e decoraram a embalagem de forma a personalizá-la. 


Professora municipal da educação infantil e voluntária do projeto, Rosenilda Fernandes aponta para a mudança perceptível nas mulheres em apenas uma noite de conversa e de oficina.


“São atividades que podem trazer mais leveza à rotina, alimentar sonhos e planejamento de futuro. Uma delas chegou muito triste com a vida, sem querer participar. Ao final da atividade, deu um dos depoimentos mais recompensadores”, compartilha. 


As Valentinas começaram a ver uma mudança de perspectiva e a olhar para possibilidades de renda a partir da proposta, segundo relato da voluntária, que também se sente gratificada com a participação. “O trabalho voluntário dá sentido à minha vida e a ação foi emocionante”, declara.


A cada uma das participantes do projeto, Rosenilda entregou uma caixinha de fósforo com um grão de feijão personalizado com o nome delas. “A colheita não é imediata. Enquanto estão dentro da caixa, protegidas, elas se fortalecem e recebem cuidados. Só não podem desistir”, afirma ela.


Mais de 2,3 mil atendimentos

Vinculado à Secretaria de Defesa Social e Trânsito, o Nova Morada, Vida Nova é desenvolvido em dois hotéis sociais com 150 vagas. A população atendida, que soma 2.338 pessoas neste ano, é encaminhada a partir de serviços de saúde e de ação social ofertados pelo município e pode permanecer no local das 18h às 9h.


Além das atividades de reinserção ofertadas, eles contam com refeições e atividades recreativas. Desde o início do ano, 344 pessoas conseguiram a autonomia, com trabalho e moradia, após passar pelo programa.

© Copyright 2007 - 2022 Jornal de Curitiba
Publicado por Editora MR Agência Digital