Na missa de Natal, Greca destaca 2021 como o ano da imunização e da cura


A gratidão pela cura e pelo alto índice de imunização dos moradores de Curitiba contra a covid-19 foi a tônica da Missa do Galo rezada, no início da noite desta sexta-feira (24/12), na Capela de Nossa Senhora da Glória, no bairro Alto da Glória. O prefeito Rafael Greca e a primeira-dama, Margarita Sansone, participaram da celebração, oficiada pelo padre Anderson Bonin, e comungaram.


“Este é o Natal da gratidão porque estamos com 75% da nossa população imunizada. Todos os idosos e boa parte dos adultos estão vacinados e agora falta vacinar nossas crianças. Vamos fazê-lo porque acreditamos na vida e na capacidade da ciência de vencer o vírus”, disse o prefeito.


Greca também desejou a todos os curitibanos que as bênçãos do Natal se estendam sobre todo o Ano Novo, sobre o azul que nos ilumina e inspirem as pessoas para o bem. “Que Deus proteja os doentes e acolha os mortos por essa doença, que não foram poucos: foram quase 8 mil”, disse Greca.


A primeira-dama desejou aos curitibanos “um feliz e profícuo Natal e um Ano Novo de ventura, fé, respeito e muito amor.”


Antes da celebração, no jardim da capela, foi apresentado o Auto da Anunciação do nascimento de Jesus.


Glória

Essa foi a quarta Missa de Natal realizada na Capela de Nossa Senhora da Glória e observou o rito tridentino: em latim, com cerca de 1h30 de duração. O Coral Gregoriano de Curitiba, sob a regência do organista Khaê Lhucas Ferreira Pereira, executou o repertório da Missa de Angelis.


A pequena igreja existe desde meados do século 19, foi restaurada e reaberta com o apoio da Prefeitura em 15 de agosto de 2018, dia de Nossa Senhora da Glória, na gestão anterior de Greca.


Celebração

A Missa do Galo – ou Missa da Noite de Natal - é considerada uma das celebrações mais alegres e festivas da Igreja Católica, sendo a primeira das quatro rezadas durante o dia de Natal (25/12). Foi  instituída no século 5, após o Concílio de Éfeso, e começou a ser celebrada na atual Basílica Santa Maria Maggiore, em Roma. Atualmente, a mais conhecida é a que acontece na Basílica de São Pedro, no Vaticano, e é oficiada pelo papa.


A origem da denominação Missa do Galo, pela qual a celebração é conhecida apenas nos países de língua portuguesa e espanhola, é controversa. Ela estaria relacionada ao fato de o canto da ave anteceder o nascer do Sol, que é associado à figura de Jesus e à sua missão divina de ser a luz do mundo. O galo também teria estado entre os animais presentes na cena do nascimento de Cristo, além das vacas e do burro, e cantado excepcionalmente alto para anunciar o seu nascimento.


Também participaram do ato religioso a presidente da Fundação Cultural, Ana Castro, e o líder do prefeito na Câmara de Vereadores, Pier Petruzziello.

© Copyright 2007 - 2022 Jornal de Curitiba
Desenvolvido por Editora MR Agência Digital